Classificação:
100 % of 100

Leone Di Venezia Pien Di Sassi

SKU
35145
Uva: Assemblage
Tipo: Tinto
Graduação alcoólica: 14%
Safra: 2020
Vinícola: Leone di Venezia
R$148,00
R$140,60 (5 de desconto) no Boleto, Transferência ou Depósito
..
Lançado no Dia Nacional do Imigrante Italiano, este vinho especial e limitado - o Pien Di Sàssi. O nome do dialeto Veneto quer dizer "cheio de pedra". Na sua assemblagem, vinhos de duas importantes uvas, a Montepulciano e a Sangiovese, que estão entre as mais plantadas na Itália e, na Leone di Venezia cultivas com esmero e cuidados especias na riqueza de nosso solo "PIEN DI SÀSSI".
Vinhedo: Serra Catarinense
Classe: Fino
Classificação: Seco
Volume: 750 ml
Amadurecimento: 8 meses em barricas de Carvalho
Temperatura: 16 a 18ºC
Potencial de guarda: 10 anos
Visual: Rubi intenso
Olfato: Frutas maduras onde se destacam cereja, amora, goiaba, e com delicadas notas mentoladas.
Paladar: Em boca boa estrutura, elegante e com acidez equilibrada, destaca frutas negras, baunilha, chocolate e especiarias com final de boca longo e taninos maduros.
Faça um Comentário
Somente usuários cadastrados podem escrever avaliações. Por favor, faça seu login ou cadastre-se
Leone di venezia

Saiba mais sobre a vinícola:

A família Bianco, sempre teve uma forte ligação com a vitivinicultura, o que me levou a fazer a faculdade de agronomia, com o objetivo para montar minha própria cantina. Entretanto, antes mesmo de formado, fui convidado a trabalhar em uma grande multinacional com atividade na área agrícola, onde atuei por 32 anos. Aposentado, decidi retomar o velho sonho de produzir vinhos, continuando a tradição de meu avô e meu pai. Morei um ano na Itália onde fiz um curso de enologia junto ao Veneto Agricoltura, Centro Regional para a Viticultura e Enologia, em Conegliano (Treviso). A vinícola conta com um projeto moderno, planejado sob a supervisão de enólogos italianos, utiliza um lay out prático, econômico e eficiente. Áreas foram projetadas para maximizar o aproveitamento das condições climáticas extremas da região, permitindo aquecimento natural em setores que necessitam de mais calor, como para a fermentação malolática, por exemplo, ou uma câmara fria, que permite as fermentações em branco e posterior estabilização tartárica, com o mínimo de gasto de energia.