Leone Di Venezia Montepulciano

SKU
34882
Uva: Montepulciano
Tipo: Tinto
Graduação alcoólica: 14,2%
Safra: 2020
Vinícola: Leone di Venezia
R$159,90
R$151,91 (5 de desconto) no Boleto, Transferência ou Depósito
..
Vinho vivo, imponente, na boca revela ótima estrutura e corpo.
Vinhedo: Serra Catarinense - SC
Classe: Fino
Classificação: Seco
Volume: 750 ml
Amadurecimento: 14 meses em barricas de carvalho francês e americano
Temperatura: 16 a 18°C
Potencial de guarda: 10 anos
Visual: Vermelho púrpura intenso com reflexos violáceos vivos.
Olfato: Completo e complexo leque aromático indo das frutas em calda as notas de ameixas secas, trufas e especiarias variadas em harmonia com o carvalho, num instigante conjunto de aromas.
Paladar: Vinho vivo, imponente, na boca revela ótima estrutura e corpo com evolução de sabores terciários evidenciando pimenta preta, baunilha e notas balsâmicas e chocolate amargo. Final de boca longo com especiarias, taninos intensos, no entanto macios.
Harmonização: Harmoniza com pratos que utilizam molhos fortes ou picantes e assados com carnes gordas ou de caça.
Faça um Comentário
Somente usuários cadastrados podem escrever avaliações. Por favor, faça seu login ou cadastre-se
Leone di venezia

Saiba mais sobre a vinícola:

A família Bianco, sempre teve uma forte ligação com a vitivinicultura, o que me levou a fazer a faculdade de agronomia, com o objetivo para montar minha própria cantina. Entretanto, antes mesmo de formado, fui convidado a trabalhar em uma grande multinacional com atividade na área agrícola, onde atuei por 32 anos. Aposentado, decidi retomar o velho sonho de produzir vinhos, continuando a tradição de meu avô e meu pai. Morei um ano na Itália onde fiz um curso de enologia junto ao Veneto Agricoltura, Centro Regional para a Viticultura e Enologia, em Conegliano (Treviso). A vinícola conta com um projeto moderno, planejado sob a supervisão de enólogos italianos, utiliza um lay out prático, econômico e eficiente. Áreas foram projetadas para maximizar o aproveitamento das condições climáticas extremas da região, permitindo aquecimento natural em setores que necessitam de mais calor, como para a fermentação malolática, por exemplo, ou uma câmara fria, que permite as fermentações em branco e posterior estabilização tartárica, com o mínimo de gasto de energia.